sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

O Partido Socialista, um legado de Mário Soares

`Victor Nogueira

Cisco Assis tem de si próprio um elevadíssimo conceito, homem clarividente que no entanto se baralha com as palavras, enredando-se nelas. Igual a si próprio, é evidente que na presente carreira de palavras Assis procura ganhar "autoridade" tentando abrigar-se com a sombra e com a "herança" de Soares para se estribar no seu anti comunismo militante contra a solução do PS/Costa.  Com efeito o relambório pseudo-histórico ciscassiano não é senão uma catilinária contra a viabilização do Governo do PS na AR e a defesa desta "Europa" do Capital, a todo o custo. A talhe de foice, o futuro "filósofo" em 1969 tinha apenas 4 anitos de idade, ficando-nos a dúvida em que movimento estudantil militaria e para que jornal/revista escreveria se tivesse nascido uns viçosos aninhos antes. Porque também os havia de direita e fascistas, contra os quais e contra o Governo de Salazar/Caetano lutavam o movimento associativo estudantil e também o PCP. 


***

13 janeiro 2017


Surfando a onda revisionista ?

Onde quer Assis chegar ?


No Público de ontem, em mais um artigo de homenagem a Mário Soares, escreveu Francisco Assis:


«Recuemos até aos anos sessenta, período marcado, do ponto de vista da contestação ao regime anterior, pela posição quase hegemónica do PC e por dois momentos de convulsão estudantil muito influenciados por vários movimentos sociais de natureza esquerdista [???]».

Parecendo-me óbvio que Francisco Assis se refere à crise académica de 1962 e à crise académica de 1969 em Coimbra mas não querendo desatar à espadeirada com base em presunções ou processos de intenção, haverá alguém dessa época (que também é minha) que me ajude a deslindar onde é que Assis quer realmente chegar ?

Sem comentários: