terça-feira, 29 de outubro de 2013

para angola e em "força"

Victor Nogueira partilhou uma ligação
.
pois então. É a subserviência dos meninos bem comportados, como os que permitiram os sócretinos e "clandestinos" voos para Guantánamo ou que de portas abertas em passes de coellho fecharam o espaço aéreo a Morales, por ordem do "big and great american brother". Perdido o império subservientes ao Império da USA, só arrotam ... para Angola, em força !

http://www.publico.pt/mundo/noticia/portugal-e-espanha-entre-os-paises-em-quem-a-nsa-mais-confia-para-partilhar-dados-1610851
www.publico.pt
Documento obtido por Edward Snowden reforça a ideia de que as secretas de alguns países europeus mantêm uma colaboração 

as barreiras das forças de "segurança"


Victor Nogueira partilhou uma ligação
.
as barreiras das forças de "segurança" ou amigos amigos, "consciências" sociais à parte ou as contradições de quem se manifesta conforme o dia, o local e a hora ou a "madrugada"

http://www.publico.pt/economia/noticia/tensao-entre-policia-e-trabalhadores-dos-ctt-durante-piquete-de-greve-1614402
www.publico.pt
Corpo de intervenção da PSP forçou elementos do piquete de greve a abrir caminho à saída de camiões. Secretário-geral da CGTP e deputados contestam empurr

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Os eleitores não deram a maioria absoluta à CDU em Loures

Os eleitores não deram a maioria absoluta à CDU em Loures. Com maioria absoluta, poderia discutir-se se seriam ou não dados pelouros às restantes forças políticas representadas nos órgãos autárquicos.

Tend o votos dos eleitores dado apenas uma maioria relativa, a CDU - ou qualquer outra força política - teria uma de duas atitudes

a) provocar novas eleições
b) fazer acordos para poder cumprir o essencial do seu programa eleitoral

Sendo certo que o PS não faz acordos com o PCP e recusa sistematicamente fazê-los, preferindo uma poítica de terra queimada e guetização do PCP e dos comunistas.

Basta ver o que se passa com António Costa relativamente à Àrea Metropolitana de Lisboa ou os objectivos que em convenção nacional autárquica estabeleceu e o conduziram a uma pesada derrota - com base num anti-comunismo trauliteiro e nada democrático e com um discurso fascizante  definiu como seu adversário não  psd-cds ( a direita ultraliberal como a designa  e com a qual se ajeita na Assembleia da República e com a troika) mas o PCP, que pretendeu varrer do mapa, designadamente na península de setúbal e das capitais de distrito.

Não só a CDU reforçou a sua posição como manteve as Câmaras e Juntas de Freguesia  e conquistou outras no distrito de Setúbal, para além de ter reconquistado as de Évora e de Beja e de por todo o país, de norte a sul, ter alcançado mais mandatos, muitos pela 1ª vez.

Mas os puristas preferem o gueto ao alargamento da iinfluência do PCP e dos seus aliados. Esquecem-se que no tempo do fascismo, apesar de minoritários e perseguidos, os comunistas estavam em todos os movimentos de massas, em amplas frentes de combate e luta.

Há horas que em torno de  LLG se fala do mesmo. É assim nestes grupos de discussão, coomo se estes "debates" esgotassem a vida. e não só com  LLG que aliás já deve ter lido o comunicado da CDU, a minha intervenção e a de outros participantes. E lendo, se convenceu ou não. 

E se se mudasse de página ? Nem LLG convence, nem quer ser convencida. O resto é gastar temo !

domingo, 27 de outubro de 2013

as diatribes do ps nas autarquias


Na sua Convenção Autárquica e pela voz de João Ribeiro o PS definiu como prioridade não combater o que chama a direita ultraliberal mas os comunistas - propondo-se ganhar o máximo de autarquias à CDU para varrer o PCP do mapa.- segundo ele inimigos da liberdade e blá-bl+a-blá

O que se verificou foi uma pesada derrota do PS, de que se não fala, no distrito, na península e no município de Setúbal. Mas não só. 

E na sua sanha anti-comunista no município de Setúbal, depois de não aceitar as propostas da CDU com maioria relativa na União de fregeuesias de Setúbal, aliou-se ao pSD para inviabilizar o funcionamento da Junta de Freguesia, reclamando novo processo eleitoral

Coerentemente o PS quer colocar os comunistas e, no fundo, todos os trabalhadores, num gueto, o gueto por ele criado ao assinar com sócrates/seguro o memorando com a troika, juntamente com o psd-cds.

Ele, PS, que salvo em Lisboa com Jorge Sampaio, nunca fez alianças com o PCP, embora esteja disponível a nível nacional e local para com a direita 
tentar por os comunistas e os trabalhadores num gueto. 

22-06-2013 às 20:114
Autárquicas: Combate do PS ao PCP tão ou mais importante que luta à direita, diz João Ribeiro, porta-voz nacional do PS




diariodigital.sapo.pt
O porta-voz do PS defendeu hoje que o combate ao PCP

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

sobre o processo revolucionário e a manif de 19 de Outubro

Um processo revolucionário é um processo lento e não estilo "flash" e já está. É um processo que tem de considerar as condições objectivas e as subjectivas, e o grau de consciência social das massas. Sendo os processos eleitorais apenas um dos meios de aferição do graus de consciência social, pondo de lado a impossibilidade de saber se a abstenção significa conformismo e aceitação ou não da chamada "democracia" burguesa e se esse eventual “não” é sinal de resignação acomodatícia ou de atitude revolucionária, verifica-se que uma grande parte  do eleitorado, embora decrescente, continua a dar o seu voto de confiança aos partidos que prometem e não cumprem e que assinaram  omemorando com a troika a mando da banca nacional e transnacional - ps-psd-cds. Partidos esses que fogem cada vez mais de “eleições” e se recusam a denunciarem o tal memorando que lixa a esmagadora maioria.

Um processo revolucionário é lento, de transformações quantitativas até que se dê a necessária transformação qualitativa. Não é um processo instantâneo como sucede com o Nescafé ou a sopa de pacote. É um processo que implica avanços e recuos, muita luta e muita resistência ao desânimo.

É óbvio que o Governo (ps-psd-cds) e quem nele manda - os chamados "mercados", eufemismo atrás do qual se escondem os grandes grupos económico financeiros nacionais e transnacionais - não estão interessados na força organizada dos trabalhadores e dos explorados - que querem ou não a sua vidinha de volta mas sim ou não uma outra vida e outra sociedade - não estão interessados na sua luta organizada e persistente, não estão interessados na consciencialização social das massas e que estas de facto exerçam o seu poder.

Em todo este processo sobre a ponte, chovem as críticas, os ataques à CGTP e ao PCP. E cabe perguntar. O PS PSD CDS que a mando dos banqueiros assinaram o memorando com a troika mobilizaram ? Não. A UGT mobilizou ? Não ! A CGTP desmobilizou ? Não ! O PCP e o Bloco desmobilizaram ? Não.

A decisão da CGTP corta as manobras de intimidação e desmobilização feitas pelo Governo mais reaccionário desde o 25 de Abril.

A CGTP marcou a manif, tentou negociar com o Governo, este apresentou como alternativa a ponte vasco da gama, a cgtp recusou, o governo disse que a decisão final era da cgtp, esta manteve a travessia da ponte, o governo proibiu e a polícia estaria lá não para garantir a segurança mas para impedir a manifestação.

A CGTP manteve os seus objectivos estratégicos, mudou foi a táctica. Quais são esses objectivos? Renegociação da dívida e fim dos juros agiotas. Subordinação do deficit ao crescimento económico, aumento da Produção e da Riqueza e diminuição da dependência externa. Aumentos Salariais e das Pensões. Defesa das funções socias do Estado e da Administração Pública. Defesa do Serviço Nacional de Saúde, da Escola Pública e da Segurança Social. Combate ao Desemprego. Pelo Direito ao Trabalho com Direitos e à Negociação Colectiva.

Sendo isso que está em causa e  sendo isto que não é posto em causa, a quem serve a  campanha de terrorista do Governo e desmobilizadora de tantos críticos súbita e ciclicamente atingidos de orfandade, sejam adeptos do espontaneísmo das massas, sejam adepto da organização ? Se esta não lhes serve, então  porque não vão à luta fora do chapéu de chuva da CGTP e do PCP ou doutras organizações ? Porque desmobilizam ? A quem serve a desmobilização ?

. O PS PSD CDS que a mando dos banqueiros assinaram o memorando com a troika mobilizaram ? Não. A UGT mobilizou ? Não ! A CGTP desmobilizou ? Não ! O PCP e o Bloco desmobilizaram ? Não.  A CGTP manteve a manifestação e os seus objectivos.


Sábado veremos quem mobilizou. Na rua será dada a resposta.

sobre os revolucionarismo voluntaristas


Não há comparação entre as forças armadas em 25 de Abril de 1974 e uma manifestação de protesto e luta, de civis. E uma parte do MFA estava com Marcelo e assim se explica que Spínola tivese a todo o custo tentado inverter o processo. Jaime Neves, encarregado de ocupar a sede nacional da PIDE “perdeu-se” em Lisboa e Spínola chegou mesmo a nomear um novo director para a PIDE, que aliás colaborava com as Forças Armadas na Guerra C
http://5dias.wordpress.com/2013/10/16/ha-alturas-em-que-a-unica-solucao-e-desobedecer/#comments



6 respostas a Há alturas em que a única solução é desobedecer

  1. Grevista diz:
    Ó Ricardo, ninguém o impede de ir tomar a ponte, juntamente com o Paulo Granjo e com o Renato Teixeira. É tomarem a iniciativa e não ficarem sempre à espera do escudo humano da inter-reformados. (PS: o Salgueiro Maia, que infelizmente já não está entre nós, também esteve do lado errado da barricada após Setembro de 1975 e até estava pronto a sair para a rua com armas na mão em Novembro do mesmo ano)
  2. Vítor Vieira diz:
    Nos idos de 74/75 havia uns rapazitos que gostavam de andar a escaqueirar sedes de partidos, embaixadas, congressos, etc. Alguns faziam também uns murais muito giros.
    Até houve quem chegasse a convencer pessoal operário a “marchar sobre Lisboa” empoleirados em escavadoras e outra maquinaria pesada… E a publicar panfletos com a descrição da G3 como forma de “educar as massas” para a “insurreição armada”…
    Agora, um é Ministro da Educação, outro é Presidente da Comissão Europeia, outra anda no Ministério Público, mais uns tantos na SLN/BPN, na Câmara de Oeiras (agora atrás de barras, temporariamente decerto), na Mota/Engil, etc, etc, etc.
    Por isso pergunto-me, às vezes, se determinados apelos irresponsáveis não serão, afinal, apenas a construção de novos curricula…
  3. Dezperado diz:
    Então mas a manifestação era só da CGTP??? não me parece.
    Quem quer ir fazer a manifestação na ponte que vá…..afinal estão no seu direito, segundo os artigos que fui lendo aqui no blog.
    Ou será que precisam de se enconderem atras da CGTP para fazer a manifestação?
  4. Victor Nogueira diz:
    Não há comparação entre as forças armadas em 25 de Abril de 1974 e uma manifestação de protesto e luta, de civis. E uma parte do MFA estava com Marcelo e assim se explica que Spínola tivese a todo o custo tentado inverter o processo. Jaime Neves, encarregado de ocupar a sede nacional da PIDE “perdeu-se” em Lisboa e Spínola chegou mesmo a nomear um novo director para a PIDE, que aliás colaborava com as Forças Armadas na Guerra C
  5. Bento diz:
    Camarada
    Porque nao organizas e mobilizas tu uma manif na ponte ?
    Vá põe te ao trabalho!